Review da Seoulbeats sobre 1000 Years, Always by Your Side

14 dez

1000 Years, Always by Your Side do SHINee assimila culturalmente a morte

SHINee, o irmãozinho não tão apreciado da família SM, está chamando atenção pelo ótimo trabalho este ano. Como seus amados irmãos mais velhos, TVXQ, Super Junior e Girls’ Generation, eles seguiram o caminho de buscar a popularidade no estrangeiro depois de cimentar uma forte base em casa, o que significa promover ambiciosamente e solidificar um lugar para si no segundo maior mercado musical do mundo. Depois de passar a maior parte do tempo promovendo no Japão durante 2011, o SHINee cumpriu seu dever em casa no começo do ano, com o lançamento de Sherlock. Quase que imediatamente, eles voltaram sua atenção para o Japão e lançaram a versão japonesa da música, seguida por Dazzling Girl em Setembro e agora com seu terceiro single japonês deste ano, o sexto no total, 1000 Years, Always by Your Side.

Este ano, vimos o esforço do Girls’ Generation em provar seus talentos vocais, lançando uma balada original para o Japão. SHINee segue essa moda, fazendo algo que seria imprudente na Coreia: promover somente uma balada. Por causa do alto nível de competição no mercado coreano, os artistas tendem a ficar em seu nicho já estabelecido, para garantir um retorno aos lançamentos promovidos. Apesar de não ser uma ideia completamente ruim o SHINee lançar uma balada na Coreia, não seria provável que uma música lenta iria chegar ao nível de sucesso alcançado por uma canção dançante como Sherlock.

Não tendo passado muito tempo no SHINee World (o que Shawol significa?), essa foi minha primeira vez ouvindo uma faixa lenta, focada nos vocais e não-dançante do grupo. Não é necessário dizer que fiquei impressionado. O SHINee demonstrou um potencial vocal tremendo em Replay e Love Like Oxygen, mas que sofreu uma redução durante a era da dança com auto-tune, gerando Ring Ding Dong e Lucifer. Ainda bem que os lançamentos coreano e japonês deste ano fizeram um bom trabalho em mostrar tanto o vocal quanto a coreografia, nos lembrando do poder da voz de Onew, Jonghyun e Key em Sherlock e Dazzling Girl. Com 1000 Years, Always by Your Side, o SHINee mostra seu verdadeiro potencial, eliminando a distração que a coreografia causa e mostrando uma história emocionante para acompanhar a canção doce e sentimental.

Apesar de ser um pouco forçado para abalar os corações dos espectadores, a história do clipe dá uma visão emocional para a morte que é parecida com as crenças culturais japonesas. Morte é um tópico místico presente na cultura popular japonesa e coreana. A história e fundação do cinema de terror asiático é baseada no conceito de assuntos não terminados dos mortos que tem haver com algo de errado durante seu tempo de vida. Desde O Grito até Whispering Corridors, há uma multidão de histórias, retiradas das crenças budistas e xintoístas sobre a morte, de espíritos indecisos fugindo do processo ritual de passagem para o além e decidindo vagar pelo mundo dos vivos como fantasmas malignos, aterrorizando e assassinando pessoas inocentes.

Em caso de haver confusão (sei que eu tive de assistir o clipe várias vezes para compreender tudo), a história fala sobre um pai que quer ajudar seu filho a superar sua doença (terminal?) através de alegria e risos. Mas as tentativas iniciais são fúteis e ele se torna uma testemunha do estado enfraquecido do menino.  No final, ele abre uma mala mágica que libera uma avalanche de balões, o que finalmente consegue fazer com o que o filho sorria. A história mostra que o pai estava, na verdade, morto o tempo inteiro. Ele aparece feliz no final, subindo no ônibus que vai para o céu, deixando implícito que ele completou sua obrigação com a família e agora pode ir para o além em paz.

Na cultura japonesa, a ideia de dívida e obrigação é tão essencial para os vivos quanto para os mortos. Acredita-se que todas as pessoas tem “on”, um fardo de obrigação que deve ser cumprido durante a vida. On pode ser uma dívida longa ou curta, dependendo da relação da pessoa com os outros, mas o que realmente significa é que a vida de alguém deve ser gasta em honra à dívida, seja aos familiares ou à comunidade. Na morte, dívidas não pagas continuam com o falecido se não forem feitos os rituais para que ele possa ir em paz. É esse contexto que faz a morte algo tão importante na cultura japonesa. Também é o motivo dos mortos em filmes de terror japoneses serem tão crueis.

Apesar de uma história de fantasmas centrada em um tema amoroso poder não ser tão original ou inovadora, o enredo do MV provou ser um apropriado complemento para 1000 Years, Always by Your Side. SHINee deixa de cantar sobre  temas chicletes adolescentes para cantar uma mais profunda, compassiva forma de amor; e que é mais pertinente ao amor compartilhado por amantes de uma vida inteira ou o amor entre um pai e um filho. Situada no contexto de “On”, o aparentemente incorrigível desespero e a vontade de ficar junto de seu filho são intensificados pelo fato de que sua obrigação com seu filho e sua família nunca será cumprida. Seu ato final de redenção é dar a seu filho uma última surpresa, um símbolo de alegre esperança que representa seu amor e dedicação à sua família, na vida e na morte.

Outro tema prevalecente no MV é a ideia de tempo e espera. É aí que nossos amados membros do grupo tem seu papel na história. Os membros estão aparentemente vestidos como a Morte; mas ao contrário da imagem negativa do cruel ceifeiro que é tão disseminada no contexto ocidental, a Morte tem um papel passivo nesse caso, atuando mais como um preocupado e burocrático funcionário que se aborrece por um atraso de um compromisso. Esse sentimento de espera e de estar na hora certa é evidente no relógio de bolso que Jonghyun segura e fica checando durante o MV. Felizmente para o aflito Taemin, que parece ter tomado uma posição de gerente na Morte & Cia., o pai chega bem a tempo de entrar em seu ônibus e não há complicações.

A ênfase no tempo, especialmente em estar na hora certa, é uma referência aos 49 dias que a alma de um falecido deve passar para fazer sua transmissão para o além. Durante esse tempo, as pessoas próximas do falecido devem conduzir os ritos de funeral apropriados para lamentar, fazer as pazes, e enviar o espírito falecido. Também diz-se que o processo de lamentação por quem faleceu recentemente que a família deve passar  também serve para melhorar o status do espírito para o seu julgamento eminente. No fim dos 49 dias, acredita-se que o espírito passa por um julgamento e entra na vida após a morte. Já que o pai morreu em um infeliz desastre, parece que devia haver mais que um processo de reconciliação para que seu espírito descansasse em paz. Depois de completar sua última tarefa, parece que o protagonista da história conseguiu chegar ao seu veículo de transportação quase no fim de seu período de transição de 49 dias para viajar em para a vida após a morte. Vendo que o trajeto que o ônibus estava tomando era para cima, podemos presumir que ele recebeu um julgamento bom.

 

Por mais manipulador e premeditado que o enredo possa ser, quem assiste não pode deixar de se sentir tocado no fim pelo senso de boa vontade da história. Para o público internacional, ela apresenta um emocionante tema de amor e compaixão que pode ser compreensível universalmente.Mais importante, ela consegue se conectar com seu público alvo em um nível sócio-cultural mais profundo. Os produtores por trás de 1000 Years, Always by Your Side fizeram sua lião de casa nesse projeto e criaram um produto que vai além da dance music sem significado pela qual os grupos de K-Pop são conhecidos. Procurando atrair um público japonês mais maduro e que procura algo com significado, o último lançamento do SHINee mostra um lado maduro dos garotos, que é certamente bem-vindo no Japão, Coreia, e na maioria dos outros lugares.

SHINee está discretamente tendo um de seus melhores anos da sua existência. Eles fizeram isso promovendo fora da Coreia, solidificando sua posição no Japão, e se tornando rivais de seus irmãos da SM nas paradas da Oricon no Japão. Eles fizeram isso explorando um nicho que muitos artistas e companhias não tentaram em seus empreendimentos no mercado japonês. Eles fizeram isso mostrando um lado de si mesmos que muitos estavam esperando e muitas outras pessoas vão apreciar por sua madura sensibilidade. E finalmente, eles estão mostrando um lado do K-pop que é diferente do espetáculo genérico e coreografado que tem dado a ele uma reputação tão ruim em certas partes do mundo. Em uma época em que o K-Pop está recebendo tantas repercussões ruins das regiões vizinhas ao ponto que os artistas de mais sucesso no Japão não foram convidados para o programa de fim de ano mais prestigiado no Japão, SHINee está dando um belo empurrão para dar ao K-Pop um novo nome e reputação que vai, esperamos, ressoar com as similaridades culturais que a Coreia compartilha com seus países vizinhos e transcender o âmbito da política regional.

Avaliação geral: 4.2 de 5

Fonte: seoulbeats
Tradução: Vivi e Rach
Não retirar sem os devios créditos.

%d blogueiros gostam disto: